Ângulo Digital | Ângulo Digital a melhor agência de Marketing Digital de Fortaleza

Descubra por que ainda vale a pena usar o Google Plus

Apesar de não ter conquistado uma audiência significativa no Brasil, o Google Plus oferece várias oportunidades para as empresas que desejam ampliar a sua atuação nas redes sociais. A integração entre os serviços do Google em uma única conta permite que as empresas utilizem vários recursos para uma presença efetiva no Google +. Neste post você vai compreender quais são os benefícios em usar o Google Plus e conhecer algumas razões para investir nesta rede social.

O Google Plus pode reforçar a sua estratégia de SEO

Embora a presença no Google Plus não esteja diretamente relacionada ao posicionamento de destaque nas páginas de resultado do mecanismo de busca, alguns resultados são exibidos com as recomendações dos amigos que estão em seu círculo. Ou seja, é mais provável que o usuário clique e goste do conteúdo já que os seus amigos recomendaram aquela informação.

Isso impulsiona o número de cliques, aumenta o tráfego orgânico e, consequentemente, o Google terá uma percepção mais positiva da sua página, o que pode melhorar o seu posicionamento. No entanto, o Google afirma que as empresas devem se preocupar com a criação de um conteúdo de qualidade, ao invés de considerar o +1 como um dos elementos chave para garantir uma posição melhor no ranking dos resultados.

Outro ponto interessante de estar presente no Google Plus é o fato de que as páginas com maior engajamento podem ter o perfil exibido na lateral direita da página de resultados, no caso de buscas específicas com o nome da empresa. Além disso, a integração com outros serviços do Google, como o Places e o Google Maps, permite que as empresas sejam encontradas facilmente pela sua localização, o que melhora o posicionamento na busca orgânica.

Segmentação criteriosa através dos círculos

Sabemos que as empresas que se comunicam com o público certo possuem mais chances de gerar negócios, aliás, o interesse do consumidor será atraído somente se a informação compartilhada for relevante. Por isso, segmentar o público que pretende atingir é essencial para as marcas que querem alcançar resultados positivos com a sua presença digital.

No Google Plus não seria diferente. Através dos círculos, as marcas podem filtrar para quem as postagens serão exibidas de acordo com o interesse de cada círculo. Se a empresa atua no segmento de alimentos, mas o seu foco são os produtos integrais, por exemplo, ela pode direcionar as publicações para quem gosta de alimentos integrais e, consequentemente, obterá sucesso em sua comunicação.

As comunidades são ótimas ferramentas de interação com o público-alvo

Através da participação nas comunidades de diversos temas na rede, a empresa não só interage diretamente com o seu público como tem a oportunidade de gerar vários insights para novos conteúdos. Observar os conhecimentos compartilhados entre os membros pode despertar a criação de um artigo com um tema que a persona considera importante. Além disso, é um canal direto para se relacionar com o seu público através de uma valiosa troca de informações.

A integração dos serviços do Google pode fazer a diferença na sua estratégia

A integração dos produtos do Google é uma tática interessante para divulgar o conteúdo. Por meio dos hangouts, os vídeos podem ser exibidos no Youtube e no Google +. É uma ótima ferramenta para realizar webinars, por exemplo, para lançar um produto, compartilhar conhecimento e interagir cada vez mais com o seu público. Os vídeos são uma tendência da comunicação digital, além de serem muito dinâmicos. Por isso, conseguem manter a atenção das pessoas e transmitir credibilidade.

O conteúdo é facilmente encontrado pelo público-alvo

As famosas hashtags já bastante utilizadas no twitter e instagram também ganharam destaque no Google Plus. Inserir a palavra-chave do conteúdo como hashtag facilita a localização do seu post pelo usuário, ou seja, quando ele digitar o termo na barra de pesquisa da rede, o seu post poderá aparecer. Isso aumenta as chances de engajamento com o público-alvo.

O botão +1 também fortalece o SEO

O botão + 1 permite o compartilhamento de conteúdos. Vale lembrar que as páginas com o botão são exibidas para as pessoas que estão no círculo de quem compartilhou. Além disso, os sites que utilizam este recurso obtém mais visitas no Google +.

Ao usar o Google Plus, a empresa pode incluir a autoria do seu conteúdo

A foto do autor do post aparece junto com o conteúdo na página de resultados do Google. Isso acontece porque o perfil pessoal do autor é associado às suas publicações. É uma oportunidade para alavancar a quantidade de cliques, o que vai impactar diretamente no volume de tráfego orgânico e ajudar a empresa na criação de autoridade perante o Google e o público-alvo, por meio de um conteúdo de qualidade.

Google + também impulsiona as campanhas no Adwords

Alguns anúncios aparecem indicando a quantidade de seguidores no Google+ e isso aumenta a confiança do usuário. Ou seja, se ao realizar uma busca, o consumidor percebe no ranking de resultados um anúncio com o número de pessoas que seguem aquela página, ele estará ainda mais suscetível ao clique. Este recurso social pode ser habilitado no Adwords.

Nos dias de hoje, as marcas precisam humanizar o relacionamento com o seu público para aprimorar os seus produtos e serviços em busca de um nível de qualidade que fidelize os clientes e conquiste novos. Outro fator importante é a utilização das redes sociais para criar autoridade no segmento em que a empresa atua. Desta forma, os consumidores percebem a empresa como uma referência em determinado assunto e passa a confiar nela.

Muitas marcas já vêm utilizando esta tática de promover o conteúdo nas redes sociais com objetivo de atrair tráfego para o seu site ou blog. Sem dúvida, esta estratégia é poderosa na criação de uma reputação no ambiente digital, contudo, é importante se preocupar em inserir um conteúdo diferenciado entre os canais para enriquecer a fonte de informação. Não é recomendado que a publicação realizada no facebook seja replicada no Google Plus, por exemplo. A originalidade é um dos elementos mais importantes para uma presença digital de sucesso, por isso é fundamental contratar empresas especializadas em marketing digital para orientar a sua estratégia nas redes sociais.

Conhece outras táticas do Google Plus para enriquecer a sua estratégia? Compartilhe aqui no blog e deixe o seu comentário!

Continue Lendo
Ângulo Digital | Ângulo Digital a melhor agência de Marketing Digital de Fortaleza

Entenda o que é mobile first e saiba usá-lo para construir seu site

O que é mobile first?

Pense no seu dia a dia. Os dispositivos móveis estão em cada momento da sua rotina, desde os primeiros minutos depois de acordar, até aquela última checada nas redes sociais antes de dormir. Não parece natural agora que o desenvolvimento web esteja tão adaptado a esta realidade? Sites responsivos e versões mobile de websites dividem a pauta quando os assuntos são as páginas online. Entenda melhor o que é mobile first, porque acreditar neste conceito e como usá-lo para construir seu site já pensando nos rumos da internet daqui para frente.

Acontece que algo sutil mudou essa visão. Agora, não devemos mais ver a internet para dispositivos móveis como uma opção, e sim como o foco principal de todas as ações online — este é basicamente o princípio do mobile first, movimento que pensa a web para dispositivos móveis, e depois para o resto.

Tendências

A tendência da internet usada em dispositivos móveis já vem se delineando há anos, impulsionada pela popularização dos smartphones e do crescimento das redes sem fio em países como o Brasil, a China e a Índia. A América do Norte, a Europa e a Ásia (principalmente Coreia do Sul e Japão) já possuem internet sem fio de alta velocidade, e nesses lugares a produção tecnológica segue um curso natural. Mas o acesso globalizado à informação coloca os países pobres e os ricos em pé de igualdade quando se fala em desenvolvimento de aplicativos mobile.

Um reflexo disso é que já se vende mais smartphones do que computadores pessoais, os PCs, desde 2010 — e a estimativa de vendas para o ano que vem é de 1 bilhão de smartphones em todo o mundo, o dobro do número de PCs. Teremos, então, dez bilhões de smartphones nas mãos de 7,3 bilhões de pessoas!  Atualmente, o tráfego vindo de smartphones corresponde a 21% da visitação de sites de e-commerce, e segue aumentando, o que significa que, em pouco tempo, o mobile também terá engolido o desktop nas vendas online.

A origem do termo mobile first

Todo este cenário gera uma evolução muito rápida das formas de comunicação móvel. Todos já sabiam da importância de sites compatíveis com a exibição em telas pequenas para a experiência do usuário e para a performance do e-commerce. E um grande ponto de virada surge quando a gigante Google divulga uma esperada atualização no seu algoritmo de indexação e ranking de sites do seu mecanismo de buscas, privilegiando páginas adequadas à navegação mobile.

Mas a origem do conceito de mobile first é bem anterior aos fatos citados acima. Em 2011, um sujeito chamado Luke Wroblewski lançou um guia técnico-estratégico para o desenvolvimento de sites e aplicativos feitos para telas portáteis chamado… Mobile First. Profissional de muito renome no ramo, Wroblewski fundou as startups Polar, adquirida pelo Google no ano passado, além da Bagcheck, que foi comprada pelo Twitter em 2011. Já trabalhou na Benchmark Capital, foi arquiteto-chefe de Design (VP) no Yahoo !, Designer de Interfaces de Usuário no eBay e Interface Designer Sênior da NCSA, empresa que concebeu o primeiro navegador de interface gráfica para a web, o célebre Mosaic. Hoje, é Diretor de Produtos no Google.

O livro disseca toda a experiência de Wroblewski em mobile experience e define alguns paradigmas para o desenvolvimento de interfaces web para usuários de tablets e smartphones, com técnicas específicas e estratégias adaptadas em anos de produção focada no mobile.

Mobile first e arquitetura da informação

Quando se fala em desenvolver projetos web com foco no usuário de smartphones, a principal mudança em relação ao desenvolvimento tradicional com foco em desktops é a arquitetura da informação. A organização e disposição das informações não priorizam a quantidade e variedade de conteúdo, e sim a melhor experiência em telas de tamanho limitado e interação com a ponta dos dedos.

Toda a estrutura de botões, menus e conteúdo deve ser pensado com essas características em mente, privilegiando o conforto e a simplicidade de navegação. Ao invés de muitas alternativas, menos opções e navegabilidade intuitiva. Este é o caminho da arquitetura da informação.

Como usar o mobile first na sua presença online

O princípio básico do mobile first é: o seu site será feito para uso em dispositivos móveis. A partir daí, é feito o desdobramento da interface para desktops, que deve ser a melhor possível, independentemente do viewport, a área útil da tela.

A alternativa, tecnicamente falando, normalmente é o site responsivo, aquele que se adapta à resolução da tela. A formatação deve privilegiar os toques dos dedos, com botões de, no mínimo, 44 pixels de lado e menus retráteis para economizar espaço e tornar o uso agradável e rápido.

Recursos como formulários e ferramentas de pagamento precisam ser simples e fáceis de  preencher, pois este tipo de ação não é tão prática quando pode ser em uma tela grande usando teclado e mouse.

Esses e muitos outros conceitos norteiam o desenvolvimento com foco no mobile, mas há aspectos que não se deve ignorar, e o principal deles é o SEO, a otimização do site para mecanismos de buscas. Mas seguir um dos preceitos divulgados pelo Google pode ser o caminho para um projeto mobile first de sucesso: pense no que é melhor para o seu usuário, o que é mais interessante e prático para ele. Os resultados vêm naturalmente.

Mobile first, mas não só no site

Neste momento, toda a sua estratégia digital deve estar focada no mobile: as ações em redes sociais, produção de conteúdo, aplicativos, veiculação de publicidade em links patrocinados e ações de vendas, tudo deve ser costurado tendo em mente que a interação se dá através dos dispositivos móveis.

Afinal de contas, mobile first não é só uma metodologia de desenvolvimento de sites, mas uma visão do que a internet já está se tornando, e o que é necessário para ter o seu lugar ao sol em um mercado cada vez mais competitivo.

O que você pensa sobre a tendência mobile first? Deixe seu comentário e conte pra gente as suas impressões sobre esse conceito e como implementá-lo no desenvolvimento de sites. Participe da conversa!

Continue Lendo